Como desenvolver uma boa imagem pessoal e profissional?

A autoimagem é algo que diz muito sobre como o paciente se enxerga e, consequentemente, interpreta a realidade. Muitas vezes, quando o conceito sobre si mesmo é negativo, a forma como uma pessoa reage às adversidades do dia a dia também não é muito favorável à solução dos problemas.

Compreender o que são autoimagem, autoestima e autoconceito vai contribuir muito para entender cada caso que você tem contato. Além disso, continuar se especializando é uma maneira de conhecer as melhores práticas para ajudar os pacientes a melhorarem a imagem pessoal e profissional.

Neste post, vamos abordar sobre as diferentes formas de que um psicólogo pode ajudar um paciente a desenvolver uma autoimagem mais positiva. Acompanhe e fique por dentro deste assunto!

Quais são as diferenças entre autoimagem, autoestima e autoconceito?

Para começar, é importante entender que esses termos, apesar de convergirem, não são necessariamente sinônimos. Existem algumas diferenças entre autoimagem, autoestima e autoconceito que dão dicas do que pode ser trabalhado com um paciente.

A seguir, entenda melhor o que difere autoimagem de autoestima e autoconceito!

Autoimagem

A autoimagem nada mais é que a forma que um indivíduo se enxerga, tanto por fora quanto por dentro. Esse é um conceito muito abordado na terapia cognitivo-comportamental, pois mostra como uma pessoa vê e interpreta a realidade.

Problemas com a autoimagem podem gerar consequências desde a síndrome do impostor até transtornos alimentares. Afinal, esse conceito diz respeito à maneira que o paciente se interpreta fisicamente e emocionalmente.

No âmbito sentimental, é comum que a pessoa pense ser inferior às demais pessoas, em situações recorrentes desenvolva o sentimento de não se sentir merecedora de suas próprias conquistas, tenha a tendência de estar sempre se comparando com os outros, entre várias outras manifestações.

Isso tudo pode fazer com que o paciente comece a ter comportamentos de isolamento social, de desistência dos objetivos, como tentar um cargo mais relevante em uma empresa ou começar uma pós-graduação, e de autocobrança excessiva.

Já no quesito físico, o indivíduo pode começar a ter uma autopercepção do corpo distorcida, se enxergando com mais peso do que de fato tem. Com isso, o caso tem grandes chances de evoluir para quadros mais graves, como o de bulimia e anorexia. A rigorosidade com a própria imagem também é muito presente em quem tem problemas com a forma que se vê.

Autoestima

A autoestima, por outro lado, é compreendida como o ato de gostar de si mesmo. Ou seja, na prática, esse conceito nos diz o quanto uma pessoa se valoriza, aceita-se e busca se conhecer.

Cada pessoa começa a desenvolver a sua autoestima ainda na infância, com base nos estímulos que recebe dos pais, sejam eles críticas ou elogios, e das pessoas com quem têm contato — seja na escola, seja em ambientes em que frequentam com assiduidade.

O autoconhecimento é um caminho que leva ao aumento da autoestima. Afinal, ele permite que um paciente se enxergue da forma que é, considerando toda a sua essência. Com o tempo, essa noção de si mesmo se torna um fator que conduz à autoaceitação, na qual a pessoa começa a se sentir mais satisfeita com a própria personalidade e identidade.

Quando a autoestima de um indivíduo está baixa, isso faz com que ele aceite passar por situações desagradáveis, como humilhações no ambiente de trabalho ou relacionamentos abusivos, por entender que é o melhor que pode conseguir.

Já quando a autoestima é estimulada, o paciente passa a reconhecer o seu valor e, com isso, não permite ser desvalorizado. Isso faz uma diferença significante em sua saúde mental, pois ajuda a evitar situações estressantes e que provocam o desgaste emocional.

Autoconceito

O autoconceito pode ser visto na imagem que a pessoa cria de si mesma. Ao perguntar para um paciente como ele se descreveria, o relato que ele oferece é compreendido como o conceito que ele criou sobre a sua imagem e personalidade.

Parte desse autoconceito é baseado em como um indivíduo interpreta a maneira que as pessoas ao redor a veem. Por conta disso, é outro objeto que pode ser analisado na TCC, para entender como funcionam os processos mentais e os pensamentos automáticos de um paciente.

Como ajudar os seus pacientes a desenvolver uma boa autoimagem?

Tendo em vista que esses conceitos são tão importantes para a saúde mental de uma pessoa e para prevenir diversos distúrbios psicológicos, entender como orientar os seus pacientes a desenvolverem uma boa autoimagem é fundamental. Veja o que pode ser feito para ter resultados positivos. 

Conheça exercícios de autoapreciação

Ao notar que um paciente tem uma visão negativa de sua autoimagem, é possível ensinar alguns exercícios para melhorar a sua autoapreciação. Técnicas como a terapia do espelho, por exemplo, que faz com que a pessoa se observe, ressalte características que gosta de sua aparência e fale palavras de autoaceitação, são muito eficientes para dar início ao processo de desconstrução de uma autopercepção depreciativa.

Para ajudar a pessoa a melhorar a autoestima e a aceitação de sua personalidade, existe outra técnica muito interessante, que é a de incentivá-la a escrever, diariamente, cerca de três características que admira em si mesma. Ao longo de uma semana, ela consegue reconhecer cerca de 20 pontos positivos de sua identidade e, aos poucos, melhorar a sua autoimagem.

Preste atenção ao que o paciente fala de si mesmo

O que o paciente fala sobre si mesmo diz muito sobre como ele se enxerga. Quando são realizadas muitas atribuições negativas, é possível notar que a sua autoimagem está abalada. Com base nisso, é possível investigar mais sobre os motivos pelos quais o indivíduo se vê dessa forma e trabalhar os exercícios de autoapreciação.

Faça especializações

As especializações permitem compreender melhor alguns conceitos que não foram abordados em sua profundidade durante o período da graduação. Dessa maneira, você tem as suas habilidades desenvolvidas, aumenta o seu conhecimento sobre determinadas áreas que estão relacionadas à ideia de autoimagem e pode aprimorar ainda mais o seu atendimento.

No entanto, para começar uma pós-graduação em Psicologia, é fundamental encontrar instituições que tenham credibilidade no mercado. Assim, você vai aprender os melhores conteúdos da área e se atualizar sobre as práticas mais eficientes para ajudar os seus pacientes a melhorarem a autoimagem.

Este post foi útil para você? Se você tem mais alguma sugestão de como auxiliar os pacientes com problemas de autoimagem, deixe um comentário logo abaixo!

Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.