Confira 4 benefícios da terapia de grupo

A modalidade mais praticada pelos psicoterapeutas, principalmente os iniciantes, é o atendimento individual. Entretanto, atuar em outros tipos, como atender casais ou fazer terapia de grupo também são experiências muito ricas para o psicólogo. Vale a pena conhecer mais sobre essas possibilidades na carreira.

Mas, para isso, é preciso entender as particularidades de cada atendimento. Facilitar um processo grupal exige muito do psicólogo. Ele deve estar preparado para mediar a relação de outras pessoas e lidar com diversas histórias de vida ao mesmo tempo. Dessa forma, a terapia pode ajudar muita gente.

Quer conhecer mais sobre a atuação da Psicologia nessa área e saber quais são os benefícios dela? Confira as informações que trouxemos neste post!

Como funciona a terapia de grupo?

O principal diferencial do atendimento em grupo é o número de pessoas em terapia. Ao contrário das sessões individuais ou de casal, nessa modalidade participam uma média de dez pessoas — a depender, claro, dos objetivos do grupo. Em geral, os encontros têm duração de 01:30 a 2 horas e pode ser preciso a parceria de dois psicólogos para facilitar o processo.

Os grupos podem ser temáticos ou livres. No primeiro tipo, a terapia é pensada por um assunto central. Por exemplo, grupos de mulheres vítimas de violência doméstica ou de pessoas que enfrentam determinado transtorno psíquico. Nesses casos, os encontros giram em torno de aspectos ligados à demanda principal.

Já o segundo tipo pode ser organizado por algum aspecto, como a faixa etária (grupos de crianças, por exemplo). Também há a possibilidade de os psicólogos agruparem pessoas com características comuns, mas sem que isso seja o centro da terapia. Por exemplo, montar um grupo com pacientes que tenham dificuldades relacionais.

Para que o paciente entre em uma terapia de grupo, é preciso passar por uma entrevista inicial com o psicólogo, que vai avaliar a situação. Também é muito comum que os terapeutas encaminhem pacientes que já são atendidos na terapia individual. Assim, o profissional conhece as necessidades da pessoa e considera que estar em um grupo é positivo para ela.

Nem todos estão preparados para participar de um grupo ou conseguirão colher resultados positivos em um. Por isso, esse encaminhamento é algo bastante delicado. O psicólogo deve estar atento à abertura do paciente para a proposta. Além disso, é fundamental que ele tenha conhecimento teórico que baseie sua prática como psicoterapeuta de grupo.

Quais são os benefícios da terapia de grupo para o paciente?

1. Propicia trocas de experiências

Apesar de todos os aspectos positivos, é possível que a terapia individual enfrente limites pela sua característica de isolamento. Muitos pacientes apresentam demandas relacionais, como dificuldade para acolher os outros ou extrema insegurança. Em alguns casos, a participação em um grupo potencializa muito os avanços psicológicos.

A terapia de grupo também é uma grande oportunidade para conhecer pessoas que passam por problemas semelhantes. Ao discutir os assuntos com os outros participantes, o paciente vê que não está sozinho. Poder desabafar temas da sua vida e escutar experiências de outras pessoas é algo bastante rico.

2. Fortalece as relações interpessoais

Outro benefício da terapia de grupo é preparar as pessoas para relacionamentos mais saudáveis. Com a mediação do psicólogo e suas técnicas, o paciente se expõe em um ambiente seguro e pode rever questões relevantes sobre a forma como interage com as pessoas de sua vida.

No grupo, vão surgir tanto sentimentos de afeição quanto conflitos. Ao falar de sua vida ou comentar sobre as vivências dos colegas, o paciente se enxerga melhor nos relacionamentos. Os participantes dão feedbacks uns aos outros, apontando, por exemplo, quando alguém teve uma postura grosseira ou falou algo que magoa.

Assim, a terapia de grupo é uma ótima forma de desenvolver habilidades sociais. Nela, as pessoas podem aprender a demonstrar melhor seus sentimentos, comunicar-se de forma eficiente e ouvir o outro com mais atenção. Essas competências são fundamentais para a vida pessoal e profissional de todos.

Por esse motivo, é muito comum que psicólogos encaminhem para grupos aqueles pacientes que apresentam dificuldades de relacionamento. Montar um grupo com crianças inseguras, por exemplo, pode ser muito útil para tratar esse problema. Da mesma forma, propor que uma pessoa muito crítica participe dessa terapia oferece a oportunidade de ela perceber suas atitudes e crescer com a ajuda de outros.

Entretanto, para que tudo corra bem, é essencial que os participantes vejam a terapia como um espaço seguro e sigiloso. Não é nada simples estar em um grupo e expor suas emoções e experiências. Por isso, são estabelecidas regras, e o terapeuta está sempre disponível para fazer as intervenções necessárias de modo a deixar o ambiente confortável.

3. Oferece outros modelos aos participantes

Na terapia de grupo, paciente e psicólogo não estão sozinhos em seus desafios e avanços. Todos os outros participantes se transformam em modelos. É possível conhecer como cada pessoa lida com as dificuldades, supera os obstáculos e avança ou retrocede em suas questões.

Enxergar a vida do outro e também contar com pontos de vista externos oferece inúmeras possibilidades de crescimento. Quando alguém vivencia uma conquista, a vitória é compartilhada, e os outros passam a ter mais esperança em relação aos próprios problemas.

Da mesma maneira, quando um membro do grupo compartilha algo negativo e os outros oferecem compaixão a ele, aprendem também a ter paciência com as dificuldades que enfrentam. Ser solidário consigo mesmo é uma necessidade vital — e uma das principais aprendizagens ao fazer terapia com outras pessoas.

4. Otimiza os resultados do processo terapêutico

Por todas as características já comentadas até aqui, é possível perceber que a terapia de grupo gera grandes resultados. Enquanto no processo individual o paciente conta apenas com a mediação do psicólogo, no grupo ele recebe feedbacks de várias pessoas. Isso o coloca mais diretamente em contato com as questões que traz para a terapia.

Esse contexto também faz com que, muitas vezes, os encontros grupais sejam complexos e difíceis. Afinal, nem sempre os colegas têm a mesma moderação que o psicólogo ao fazer um apontamento ou sugestão. Entretanto, os conflitos são oportunidades para ver as coisas de outra forma e crescer.

Como você viu, a terapia de grupo tem muito a oferecer para os pacientes e também é um grande aprendizado para psicólogos clínicos. O ideal para quem quer seguir na área é buscar estudos que o capacitem para esse tipo de atendimento. Afinal, os participantes precisam ter confiança no profissional.

E então, este post foi útil para você? Que tal acompanhar os nossos conteúdos curtindo nossa página no Facebook?

Powered by Rock Convert

Sem Comentários

Cancelar