Neuropsicologia: saiba mais sobre essa área e sua atuação

A Neuropsicologia é o campo da ciência que estuda as relações entre o cérebro e o comportamento humano, buscando entender como alterações no sistema nervoso podem levar a déficits cognitivos e comportamentais.

Dessa forma, a Neuropsicologia é uma área multidisciplinar situada na interface entre a Neurologia e a Psicologia. Seu objetivo é compreender como o cérebro influencia funções como atenção, memória, raciocínio e comportamento, auxiliando no diagnóstico e tratamento de pacientes que apresentam algum sintoma que requer avaliação.

Parece interessante, não é mesmo? Continue conosco para saber mais sobre a história da Neuropsicologia, como é o trabalho de um neuropsicólogo e o que é preciso para se tornar um especialista no assunto. Vamos lá?

Como surgiram os trabalhos nessa área?

De onde vêm nossas funções mentais? A pergunta hoje parece boba, mas entre 2.000 e 2.400 anos atrás, o debate sobre o assunto era bastante caloroso. De um lado, estavam os defensores da hipótese cardíaca, que afirmavam que o coração era o centro da mente humana. Do outro, surgiam os apoiadores da hipótese cerebral, que enxergavam o cérebro como o responsável pelas atividades mentais.

Com o tempo, a hipótese cardíaca foi desacreditada, sobretudo graças ao avanço dos estudos anatômicos envolvendo animais e cadáveres humanos. No entanto, saber que o cérebro era a sede do funcionamento mental ainda estava muito longe de entender como isso ocorria. Será que cada fragmento cerebral teria uma função específica ou será que o conjunto era mais importante no controle mental?

A frenologia, embora tenha caído em descrédito, contribuiu com importantes ideias sobre a ligação entre o cérebro e a mente, sugerindo que cada área cerebral determina uma atividade mental ou comportamental. Com o passar dos anos, diversos estudos de caso envolvendo lesões no cérebro e alterações no comportamento reforçaram essa ideia.

Assim, embora o termo Neuropsicologia tenha surgido apenas em 1913, a convergência da Neurologia com a Psicologia teve início muito antes disso. No Brasil, o Conselho Federal de Psicologia (CFP) reconheceu essa especialidade apenas em 2004, quando delimitou o campo de formação do neuropsicólogo em nosso país.

Quais são os campos de atuação de um neuropsicólogo?

A principal ferramenta de trabalho de um neuropsicólogo é a avaliação neuropsicológica. As aplicações de tal instrumento possibilitam:

  • auxiliar no diagnóstico diferencial de doenças que apresentam sinais semelhantes;
  • classificar a severidade do quadro clínico de cada indivíduo;
  • monitorar a evolução dos pacientes em tratamento;
  • investigar atrasos no desenvolvimento infantil ou no desempenho escolar.

Com a avaliação neuropsicológica, o profissional consegue identificar as alterações no comportamento e correlacioná-las com distúrbios cerebrais. Para isso, o neuropsicólogo deve ter em mãos os dados clínicos do paciente, fornecidos pelo hospital ou mesmo uma carta de encaminhamento médico, além de realizar sua própria anamnese.

Os métodos neuropsicológicos podem ser aplicados em diversas situações, de forma que os campos de atuação de um especialista em Neuropsicologia são variados. Os principais locais de trabalho desse profissional são:

  • instituições acadêmicas — ensino e pesquisa;
  • hospitais — acompanhamento de pacientes pré e pós-cirurgia;
  • juizados — avaliação e perícia forense;
  • clínicas de tratamento e reabilitação;
  • consultórios particulares;
  • atendimento domiciliar.

Na clínica, o acompanhamento neuropsicológico tem um papel primordial no atendimento a 3 grupos distintos de indivíduos. Confira quais são eles a seguir:

Pacientes com danos cerebrais

Não são apenas os traumas que desencadeiam lesões neurológicas. Tumores, epilepsias, esquizofrenia e demência são outros distúrbios que também podem trazer consequências comportamentais. O papel do neuropsicólogo é identificar as funções cognitivas e motoras que foram prejudicadas e propor a melhor conduta para o tratamento de cada caso.

Crianças

Dificuldades de aprendizado e alterações comportamentais são dois aspectos que afligem pais e responsáveis. Nesses casos, o profissional emprega a avaliação neuropsicológica para identificar problemas de atenção e concentração, de forma a elaborar um plano de tratamento para o melhor desenvolvimento da criança.

Idosos

No envelhecimento, as deficiências neurológicas podem se manifestar como uma consequência natural da idade ou estar associadas a doenças como Alzheimer ou Parkinson. O neuropsicólogo busca estratégias para que o idoso lide melhor com suas limitações e continue a explorar as potencialidades que foram preservadas, contribuindo para a qualidade de vida do paciente.

O que é preciso para se especializar em Neuropsicologia?

Se você deseja atuar como neuropsicólogo, o primeiro passo é obter o título de especialista em Neuropsicologia. A maneira mais simples de alcançar esse objetivo é concluir um curso de pós-graduação na área. Com o certificado em mãos, o profissional já está apto a atuar nesse segmento.

Optar por uma especialização em Neuropsicologia traz ainda outras vantagens. Além de ampliar os conhecimentos e dar um salto na carreira, cursar uma pós-graduação é uma excelente forma de expandir a rede de contatos e abrir portas no campo profissional.

Alternativamente, o CFP prevê que a habilitação seja requerida após experiência de 5 anos de atuação na área. Também é possível se tornar neuropsicólogo mediante aprovação em concurso público de provas e títulos, desde que o profissional tenha sido inscrito em seu respectivo Conselho Regional de Psicologia por pelo menos 2 anos.

Caso você decida seguir carreira na Neuropsicologia, algumas habilidades são fundamentais, tais como:

  • atuar de forma ética e responsável;
  • desenvolver a escuta atenta e a capacidade de se conectar com os pacientes;
  • ter grande capacidade de observação e pensamento crítico;
  • manter o diálogo com outras especialidades da Psicologia e da medicina;
  • buscar constantemente o aprendizado.

Como qualquer ciência, a Neuropsicologia está em constante evolução. Por isso, é muito importante manter-se sempre atualizado para poder oferecer o melhor atendimento a seus pacientes. A participação em eventos como simpósios e workshops, a consulta a periódicos da área e a realização de cursos de aperfeiçoamento são boas maneiras de atingir uma melhor qualificação profissional.

Este conteúdo foi útil para você? Então assine nossa newsletter e recebe nossas dicas de carreira diretamente em seu e-mail.

Powered by Rock Convert

Sem Comentários

Cancelar