Tecnologia e Psicologia: veja como a área vem se transformando

A Psicologia é uma área muito recente. A sua consolidação enquanto ciência e profissão aconteceu somente nas primeiras décadas do século XX, sendo que a profissionalização no Brasil foi legitimada em 1962, dando início à construção dos cursos de graduação e especialização no país. No entanto, a sua criação tardia não a impediu de investir em novas técnicas para ampliar seus horizontes e auxiliar cada vez mais pacientes.

Assim, tecnologia e Psicologia começaram a trilhar um caminho único que busca a melhoria do atendimento aos clientes, bem como o desenvolvimento de novas possibilidades de trabalho para os profissionais da área. Em outras palavras, ao utilizar os avanços tecnológicos nos atendimentos, você não só oferece mais qualidade de vida aos pacientes, como também garante excelentes oportunidades no mercado.

Mas, então, como é possível utilizá-la no dia a dia com eficiência? Para responder a essa pergunta, preparamos este post com as melhores dicas para investir na tecnologia e aprimorar cada vez mais sua estratégia profissional. Acompanhe!

Como utilizar a tecnologia na Psicologia?

Melhorar a performance nos consultórios é um dos principais objetivos dos psicólogos, você concorda? Afinal, trabalhando com melhor qualidade você garante um bom atendimento aos seus clientes e, de quebra, consegue elevar o seu reconhecimento no mercado, tornando-se referência na sua área.

Atualmente, uma das melhores formas de aprimorar a sua performance é por meio da tecnologia. Vamos pensar em um exemplo juntos? Imagine que você está atendendo um adolescente que tem dificuldade em desenvolver suas habilidades sociais. Constantemente ele afirma ser tímido e demonstra o desafio que é fazer novos amigos.

Existem diversas formas de abordar esse problema, desde intervenções verbais até técnicas de dessensibilização sistemática. Ainda, iniciar um processo de avaliação psicológica com testes comprovados para auxiliar no desenvolvimento de uma boa estratégia de acolhimento.

O fato é que, utilizando os óculos de realidade virtual, por exemplo, é possível otimizar as técnicas da terapia cognitivo-comportamental, além de ser uma excelente forma de criar um vínculo com o adolescente e fortalecer ainda mais o laço terapêutico entre os dois, visto que você traz um elemento da sua realidade para compor a sua intervenção.

Indo mais além, existem outras áreas nas quais a tecnologia se insere para auxiliar o seu trabalho. A seguir, separamos as principais para você ficar de olho e conhecer outras técnicas de atuação.

Tratamento de fobias

As fobias são assuntos constantes nos consultórios psicológicos. Cada vez mais pessoas procuram um atendimento qualificado para aprender a lidar com suas ansiedades extremas. Com a tecnologia, você pode lançar mão de aplicativos, óculos de realidade virtual e outros simuladores, como o EMDR (Dessensibilização e Reprocessamento por Meio dos Movimentos Oculares) que aproximam o paciente do seu medo.

Nesse sentido, ele consegue visualizar o seu problema e enfrentá-lo dentro de um ambiente seguro e controlado, no qual pode sair da simulação a qualquer momento e conversar com você sobre o que sentiu e como reagiu — física e psicologicamente — aos estímulos apresentados.

Isso permite uma interação maior entre você e ele, além de otimizar o seu avanço na psicoterapia. É comum que, em menos tempo, o cliente já se sinta mais confortável em enfrentar seus medos e desenvolva a coragem para lidar com ele fora das simulações.

Estimulação cognitiva

Indo mais além, também é possível estimular pacientes que apresentam alguma dificuldade cognitiva. Antes da tecnologia, esse processo poderia ser feito por meio de jogos físicos e testes psicológicos, além das intervenções verbais e medicamentosas — nos casos mais graves, desde que com acompanhamento médico.

Hoje, é possível utilizar diversos equipamentos de monitoramento cognitivo alinhado às técnicas psicológicas para auxiliar no controle e estímulo cognitivo. Assim, você consegue identificar as melhores formas de dar continuidade ao tratamento, bem como percebe as possíveis interações multiprofissionais que podem ser feitas.

Utilização de jogos

Você lembra que comentamos que a realidade virtual é uma excelente aliada da Psicologia? Pois é, além dela existem diversos jogos que otimizam o seu trabalho, oferecem mais autonomia para o paciente e, é claro, aprimoram o vínculo terapêutico. Assim, é possível ir além do tratamento de fobia, utilizando essa alternativa para auxiliar pacientes com depressão, ansiedade e outros transtornos.

Vale lembrar que os jogos terapêuticos são diferentes dos games virtuais. Ainda que sejam online, eles são desenvolvidos por plataformas especializadas para auxiliar seus pacientes a lidar com seus problemas e desafios pessoais e precisam passar pela aprovação do Conselho Federal de Psicologia para serem utilizados na clínica.

Produção de diagnósticos fidedignos

Uma grande dificuldade dos psicólogos é a produção de diagnósticos fidedignos e coerentes com as dificuldades e história de vida dos pacientes. Para que ele seja criado com eficiência, ética e respeito, é fundamental investir em boas práticas de avaliação psicológica para evitar a rotulação de seus clientes.

Nesse sentido, a tecnologia consegue otimizar o processo de produção, aprimorando o cálculo dos testes psicológicos, fornecendo dados fiéis e indicando informações emocionais e cognitivas coerentes com o seu laudo clínico. Assim, fica mais fácil associar os construtos psicológicos aos dados recolhidos e desenvolver um diagnóstico que realmente auxilia o paciente.

Atendimento a distância

Para concluir, é possível utilizar a tecnologia no atendimento a distância. Hoje, o Conselho Federal de Psicologia aprova essa estratégia de acolhimento, favorecendo o acesso de pessoas em ambientes remotos ao autodesenvolvimento e bem-estar emocional. Nesse sentido, você pode — e deve! — investir em aplicativos que conectam clientes interessados a você para ampliar seus horizontes profissionais.

É importante ter em mente, no entanto, que a maioria desses atendimentos é realizada com base nas estratégias de terapias breves, que consistem em intervenções mais diretivas e práticas para que os pacientes possam resolver seus problemas sem a necessidade de grandes reflexões.

Indo mais além, você também pode recomendar o uso de aplicativos — seja no atendimento a distância, seja no consultório presencial — para que os clientes controlem seus hábitos, identifiquem suas crenças limitantes e invistam em técnicas de relaxamento em casa, como o Cogni e o Calm.

Novas possibilidades para o psicólogo

Você percebe como a tecnologia revolucionou o atendimento psicológico? Ao permitir a sua entrada na clínica, você sente mais segurança em oferecer um acolhimento qualificado para seus clientes e, de quebra, consegue testar novas técnicas que abrem um leque de possibilidades de intervenção, como a consulta virtual.

Por isso, fica muito mais fácil gerir o seu trabalho e aproximá-lo da realidade atual, ou seja, de pessoas que estão constantemente conectadas e têm suas vidas atravessadas pelos canais de comunicação digital e informações online. Ainda, você garante um destaque entre outras abordagens ao permitir essa ampliação e, por consequência, desenvolve notoriedade na sua área.

A relação entre tecnologia e Psicologia está em constante crescimento e investir nessa inovação é uma excelente forma de aproximar os pacientes ao seu trabalho, fortalecer vínculos e aprimorar suas técnicas de atuação. Lembre-se, portanto, de utilizar jogos terapêuticos confiáveis para garantir um trabalho seguro e de qualidade.

E então, gostou das nossas dicas? Se você deseja continuar conectado para não perder nenhuma atualização, siga a nossa página no Facebook e no Instagram e confira nossas novidades no mundo da Psicologia!

Powered by Rock Convert

Sem Comentários

Cancelar