O reconhecimento e a valorização da psicoterapia têm crescido a cada ano. Essa é uma tendência mundial da qual o Brasil não fica de fora. Felizmente, o tema da saúde mental está sendo cada vez mais discutido e, com isso, se consolida a importância do psicólogo nesse campo.

Acompanhando esse movimento, vemos também o crescimento acelerado da internet e das tecnologias. Como essas duas áreas se encontram? Na prática, acabamos de passar por uma mudança significativa na forma como a terapia online é concebida pelo órgão que regulamenta a profissão de psicólogo.

Quer saber mais sobre o assunto? Neste post, explicamos o que é essa forma de atendimento, quais são suas vantagens e que normas o profissional precisa seguir. Vamos lá?

O que é terapia online?

Nessa modalidade de atendimento, o psicólogo tem um novo local de trabalho: o encontro presencial na clínica dá lugar à sua presença virtual em um programa ou aplicativo de comunicação online. Ou seja, o paciente é atendido a distância e fala com o seu terapeuta por meio do computador ou celular.

Com o mundo se tornando cada vez mais tecnológico, a terapia online oferece uma boa oportunidade. Ela é atrativa, principalmente para as pessoas que precisam mudar de cidade (ou mesmo de país) e não querem perder o vínculo com o profissional de saúde que as atendem.

Além disso, o atendimento virtual é muito útil para quem mora em locais menores, que não contam com uma boa rede de psicólogos. Nas grandes cidades, já é fácil encontrar profissionais para realizar esse atendimento, contudo, em cidades do interior ou mesmo em estados menos desenvolvidos, isso se torna mais raro e difícil.

O acesso à internet, por meio de computadores ou celulares, já é uma realidade da maior parte da população brasileira. Assim, integrar a Psicologia a essas plataformas potencializa muito a promoção da saúde mental. Os atendimentos geralmente são feitos por vídeo, com apoio de e-mails ou chats.

Quais são as vantagens dessa modalidade?

Não podemos afirmar que a terapia online é melhor ou pior do que as sessões presenciais. São modalidades diferentes, que apresentam pontos positivos e limitações. Em geral, os encontros online são muito úteis em situações bastante específicas, como as que já citamos aqui.

Há, ainda, outros contextos em que a tecnologia auxilia na manutenção e recuperação da saúde psíquica. Por exemplo, quando alguém está enfrentando um grau elevado de transtornos, como a depressão ou a síndrome do pânico, pode ser bem difícil sair de casa e aderir ao tratamento psicológico. Nesses casos, a terapia online acolhe o paciente em suas necessidades.

Outro grupo beneficiado por essa opção são as pessoas que têm dificuldade para se deslocar. Uma mulher que acabou de ter um bebê ou pessoas que se encontram internadas, por exemplo, podem ver muita utilidade em ser atendidas pelo computador. Por isso, trabalhar com esse serviço é um diferencial para a carreira do psicólogo.

Impedir a quebra de um vínculo já estabelecido também é função dos atendimentos a distância. Imagine que você já faz terapia há algum tempo e que ela tem grande importância na sua vida. Como seria se você ou seu psicólogo precisassem mudar de cidade? Procurar outro profissional e construir uma nova relação nem sempre é fácil.

Já para quem opta por viver em outro país, seja de forma definitiva ou temporária, ter atendimentos online é uma maneira de se manter em casa. Fazer terapia com alguém que não fala a mesma língua materna pode se tornar um processo complicado e até um pouco impessoal.

Depois de todos esses exemplos, fica claro que essa modalidade de Psicologia tem o objetivo de ampliar o acesso das pessoas aos serviços de saúde psicológica. Entretanto, existem também limitações. Por isso, há algumas normas e cuidados que o profissional deve ter para garantir um bom processo terapêutico para o paciente.

Quais são as regras do Conselho Federal de Psicologia (CFP)?

O CFP é o órgão regulamentador da profissão de psicólogo no nosso país. Cada estado conta, ainda, com um conselho regional de referência. A resolução que orientava o atendimento online era a 11/2012, que foi recentemente substituída pela 11/2018.

A mudança visa considerar toda a evolução que o tema passou de 2012 a 2018. O avanço da internet é inegável, e as diversas profissões precisam considerá-lo como uma influência relevante para seu trabalho. Veja quais são as novas regras para a terapia online:

Eliminação do limite das sessões

Anteriormente, o psicólogo só podia oferecer um número máximo de 20 sessões a distância, porque a orientação do Conselho Federal de Psicologia é que esse não poderia ser o único meio de contato entre o paciente e o profissional.

A internet deveria ser utilizada apenas como complemento das sessões presenciais, quando houvesse necessidade. Assim, ela era válida quando o paciente viajava, por exemplo, mas não podia se tornar regular. Com a nova regra, isso mudou. A partir de 2018, não há mais limites de atendimento máximo.

Regulamentação do serviço de psicoterapia online

Até 2012, não era permitido realizar atendimento psicoterapêutico pela internet. O CFP utilizava o termo “orientação psicológica”, para demarcar a diferença entre esse serviço e a terapia presencial.

De modo online, seriam atendidos apenas casos pontuais com demanda delimitada — um tipo de psicoterapia breve focal. Com a nova resolução, essa divergência foi extinta. Ou seja, toda a terapia pode ser realizada por meio de plataformas online, inclusive a aplicação de alguns testes. Dessa forma, ela se assemelha à modalidade presencial.

Necessidade de autorização e cadastro anual no CRP

Para atuar online, os psicólogos ou as clínicas e plataformas de atendimento precisam se cadastrar no conselho regional que atende sua região. Apenas mediante essa regularização (que deve ser atualizada anualmente) é que eles estão autorizados a oferecer seu serviço virtual.

Cada conselho regional apresentará seus próprios critérios de autorização, de acordo com aspectos éticos e administrativos. Os pacientes que quiserem ter certeza de que o psicólogo está legalizado, podem pesquisar a informação no site do CFP.

Proibição de atendimentos de urgência e emergência

Alguns impedimentos continuam existindo na resolução 11/2018. É vedado ao psicólogo atender online casos urgentes, como pessoas que se encontram no meio de uma crise. O Conselho Federal entende que o ideal para esses pacientes é serem acolhidos de forma presencial.

Por isso, situações de emergência, desastres e casos de violência e abuso precisam ser encaminhadas para atendimento pessoal. Quando necessário e possível, o psicólogo que atua a distância pode prestar suporte ao paciente e à equipe que o atenderá.

Trabalhar com terapia online é mais uma oportunidade para os profissionais da Psicologia e para as pessoas que precisam de apoio emocional. A regulamentação desse atendimento ajuda a ampliar o acesso e promover mais saúde, mas é preciso ter atenção com a ética e a responsabilidade do serviço.

Essa resolução é bastante atual e relevante para os profissionais de saúde. Então, que tal compartilhar este post nas suas redes sociais e manter seus amigos atualizados?

Powered by Rock Convert

Sem Comentários

Cancelar